Um blog, afinal,

É ponte
É fonte
É toque
É sinapse
É sinopse
É TOC
É psicose
É catequese
É máscara
É cigarra
É alma
É lama
São águas
É ilha
É terra
É lua
É melhor amigo
É namoradinha
É esposa
É amante
É amigo imaginário
É alter ego
É o edson do Pelé
Ou o pelé do Edson
Fenômeno do Ronaldo
É aquele carinha de roupa de lycra
que voa e nunca aparece junto com o Clark
É ego
É superego
É id
É o Super Ego
É complexo
É grilo falante
É galo tecente
É sapo de fora
É vaca sagrada
Ou não
É criança pidona
É porco sem fundo
É tamagochi
É minotauro
É só mais um lemingue
É esfinge
É encosto
É a mosca do cocô do cavalo
digital
É ponto de cultura
da aldeia global
É pau
É pedra
É falso ouvido
É fingir a dor que deveras sentes
E sentir a dor que deveras finges
É fingir os leitores que deveras lêem
É Brasileiros e Brasileiras
É Minha Gente Não Me Deixem Só
É Povo de Sucupira
É pregar no deserto
É processo na certa
Sucesso na certa
É espelho
É telefone sem fio
É celular de mentirinha
É karaokê
É livro aberto
Não é o que você está pensando
É minha casa
Es su casa
É o meu lojinha
É cafezinho
É milho aos pombos
É Palavra do Senhor
Dá assim uma luz
É uma coisa quentinha
Está no meio de nós
É o fim do caminho
É mercearia de intimidades
Ou mercado de almas
É oposição
Ou um armazém de secos e molhados
É marmelada de banana
É boteco
É ágora
É parlamento
É confessionário
É orquidário
É divã
É paróquia
É curral
É inferninho
É tribunal
É zona
É janela
É fechadura
É webcam
É o apartamento da vizinha
É vitrine
É vidraça
É telhado
É quintal
É vereda
É redemunho
É diabim na garrafa
É praça
É de graça
É eu
É nóis
É a tua
É lugar
É pasárgada
É arembepe
É praça da sé
É oscar freire
É terra do meio
É marcelândia
É minhas férias
Não deixa de ser chinatown
Nem dogville
É o fim da picada
É linguagem
São dois-dedim-de-prosa
Na real, é virtualidade
É fetiche
É batatinha quando nasce
É pacto
É contrato
É pré-texto
É pra treineiro
É espírito
É energia
É circunstância
É viagem
É puranóia
É o fim da história
É contar aquela historinha pra distrair as visitas enquanto a mamãe se arruma
É agora eu era herói
É o futuro
Já era
É contingência
É geração
É travessia
É travessão
É transição
É troca-troca
É clubinho
É moda
É pop
É dossiê
É querido diário
É brinquedinho de adulto
É orkut de velho
Derruba ministro
Combateria a ditadura
Atenta contra a moral e os bons costumes
É caminho para a capa de Caras
Garante um lugar na Playboy
Ou pelo menos um teste de sofá na Sexy
Preenche este vazio que me acompanha
Vai fazer a aliança camponesa-operária
Dá cócegas
É solidão a dois
É a mídia que prescinde da mídia e a extingue
E isso vai para as manchetes
É, tipo, We The Media
É brincar de Diogo Mainardi
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É dar uma de Bruna Surfistinha
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É ter seus 15 minutos de Cid Moreira
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É a dulcinéia de todo quixote
É a madona do pixote
É a Marília de (Zé) Dirceu
É bah
É meu
É isca viva
É isca artificial
É isca de polícia
É isquinha com cervejinha
Isquinha de zebra
É isca, Reinaldo
Isca, Reinaldo
É oxe
É arre
É uai
É véi
É portal
É túnel
É púlpito
É palquinho
É picadeiro
É palanque
É tanque
É nave
É jangada
É motoca
É fanzine
É pasquim
É libelo
É panfleto
É link pro labirinto
É suporte pra banner
É a terra da liberdade
É Toyota listrado rateando na (infinda) savana
É coisa de hacker
É coisa de nerd
É coisa do PT
É coisa da Globo
É a rede, estúpido
É molotov
É garrafa ao mar
É homem ao mar
É terra à vista
Mas são as Índias erradas
É vôo de ícaro
É bolivariano
É republicano
Tá com os democratas
Vem que vem que nem a PM da Yeda
É holístico
É lírico
É onírico
É onívoro
É ovíparo
Destrói reputações
Arruína casamentos
Solapa altos negócios
Dá pra descolar um troco
É emprego que se apresente
É autoconhecimento na frente das crianças
É filosofia a uma hora destas
É tela em branco
É noite em claro
É luz
É raio estrela e luar
É os olhos do fraco
É o medo de amar
É a vida
– Que é bonita e é bonita
É o que não tem remédio nem nunca terá
E se chama amor
É um fio de cabelo no meu paletó
Toma conta de todo o meu ser
E claro que ninguém se toca com minha aflição
É festa lá no meu apê
Com minha cabeça de noite batendo panelas
É um mundo negro que viemos mostrar pra você
É a tonga da mironga do kabuletê
Porque é o avesso do avesso do avesso do avesso
É se vira nos 30
É arquivo confidencial
É a ponte do rio que cai
É brincadeira
É despertar
É zzzzzzzzzzz
É libertação
É vício solitário
É armário
É baú
É boca
É um par de asas
É o falo da expressão
É a vulva do conhecimento livre
É parte inextricável do corpo ampliado na era cibernética
Não passa de um apêndice protestando
Um cóccix se perpetuando
Um dente de leite
Uma espinha
Um cravo
É prisão
É refresco
É hospício
É coleção de selos
É casa da sogra
Ou língua-de-
É língua-da-mãe-joana
É axé
É punk rock
É chorinho
É pagode-de-teclado
É apito
É megafone
É uma flamejante remington 2.0
Quiçá uma magirus
É o sonho de Gutenberg
É a última fronteira do jornalismo
Ou a nova do capitalismo
É parte da mais recente bolha
Faz bolhinha dentro d’água
Pinga na superfície igual pedrinha chata
É só tascar a língua e mexer
É sorriso / salto / sardinha / sorriso / salto /sardinha:
o suor molhado de Flipper
Um dia substituirá o autor
HAL HAL HAL HAL HAL
É questão de ordem
É questão de opiniães
É merda no ventilador
É mal recebido pelo mercado
E por aquela tia sua
É pra ler no trabalho
Já é passível de ler no banheiro
É a revolução-que-não-será-televisionada
É o papel-que-aceita-tudo
É Ai Amiga
É Cês Não Sabem Quem Eu Comi
É Deixa Eu Falar
É O São Paulo Tá Com O Time Montadinho
É Agora É Sério
É Eu Acho Que
É neoconservadorismo
É esquerdafestismo
É exibicionismo
É militância
É incontinência
É arrogância
É readolescência
É oportunismo
É jornal sem lead
Sem lauda
Sem lay-out
Sem manual
Sem dono
Sem cm
É mais do mesmo
É mais plurais
Eh naum sei + u q !!!!!!
É hehehe
É mais do que dá pra ler
É mais você
É mais ou menos
É um pouco muito isso
É toda uma proposta
São tudo pequenas coisas
É isso aí
Interrogação
Me diga lá
Até 250 toques
Ali em “Comentários”

2 Respostas to “Um blog, afinal,”

  1. Agregando blogueiros, extinguindo (sem trema) a mídia | Trezentos Says:

    […] diz o colega Pedro Biondi, blog… … É a mídia que prescinde da mídia e a extingue E isso vai para as manchetes […]

  2. Você percebe que ficou muito tempo sem postar… « Cheiro de Leoa Says:

    […] Leia mais aqui sobre essa criatura misteriosa e cativante chamada blog. […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: