Posts Tagged ‘comunicação’

2015 já é o ano do #mandanudes

15/10/2015

… #mandanudesnapolítica.

Anúncios

Crowdfunding de milícia…

29/06/2014

… Selfie no linchamento

 

Manifesto antimetrô

Carreata de SUVs

Bandeira nas costas, bala na bolsa

E louboutin no pé

 

Camarote cívico

Empreendedorismo-denúncia

Militância stand-up

 

Roupa de Batman em conselho

Legalismo seletivo

Herdeiros contra o paternalismo

 

Partido antipartido

Maiteproencihuckismo

 

Carro alegórico impostômetro

Crianças com abadá

Chiclete com albumina

 

Adam Smith com Padre Marcelo

 

Direita 2.0

 

 

Aloysio lembrado, obra presente

27/08/2010

Textos publicados em julho e agosto homenageiam Aloysio Biondi. Para além da saudade para a família e os amigos, lembram os dez anos de sua ausência revisitando sua obra, ainda intensamente atual.

Leia no site do projeto O Brasil de Aloysio Biondi. Lá também podem ser conferidas mais de mil matérias e artigos do jornalista, fotos do seu arquivo pessoal, o livro O Brasil Privatizado – Um Balanço do Desmonte do Estado e um perfil biográfico escrito pela jornalista Thais Sauaya Pereira.

Prosódia de telejornal

13/08/2010

A música já temos… É só encaixar a letra.

Arquivo de Aloysio Biondi na Unicamp!

16/09/2009

Alegria! Orgulho! Doação ao Cedae será assinada nesta sexta (18). Fruto duma puta mobilização coletiva.

Saiba tudo aqui.

Cheiro no twitter

13/09/2009

A leoa vai piar.

Com um respeitável delay, este blog e seu pastor aderiram ao twitter. Da utilidade informativa e social do cujo eu nunca tive dúvidas, mas adiava o embarque por uma certa preguiça de mais conexão e dispersão – são fontes demais para isso hoje, não?

Como aqui, meio ambiente, literatura, comunicação e Bras-Ilha serão assuntos na certa. E me parece um bom lugar para servir as tradicionais iscas de zebra.

Em tempo: estamos lá com nome de fabricante, não de produto. Como pedro_biondi (já havia um eu-não-eu sem _ ).

Enfim, que venham as novidades. Agora, picadinhas em 140 toques.

Muito boa, do Dahmer

02/09/2009

2009_09_02_dahmer_televisao

Será que quem criticou
“a juventude que
só fica pendurada
na internet” viu esta?

E twitter, afinal,

11/11/2008

É telex

?

(Afinal) Um blog, afinal,

09/11/2008

É ponte
É fonte
É toque
É sinapse
É sinopse
É TOC
É psicose
É catequese
É máscara
É cigarra
É alma
É lama
São águas
É ilha
É terra
É lua
É melhor amigo
É namoradinha
É esposa
É amante
É amigo imaginário
É alter ego
É o edson do Pelé
Ou o pelé do Edson
Fenômeno do Ronaldo
É aquele carinha de roupa de lycra
que voa e nunca aparece junto com o Clark
É ego
É superego
É id
É o Super Ego
É complexo
É grilo falante
É galo tecente
É sapo de fora
É vaca sagrada
Ou não
É criança pidona
É porco sem fundo
É tamagochi
É minotauro
É só mais um lemingue
É esfinge
É encosto
É a mosca do cocô do cavalo
digital
É ponto de cultura
da aldeia global
É pau
É pedra
É falso ouvido
É fingir a dor que deveras sentes
E sentir a dor que deveras finges
É fingir os leitores que deveras lêem
É Brasileiros e Brasileiras
É Minha Gente Não Me Deixem Só
É Povo de Sucupira
É pregar no deserto
É processo na certa
Sucesso na certa
É espelho
É telefone sem fio
É celular de mentirinha
É karaokê
É livro aberto
Não é o que você está pensando
É minha casa
Es su casa
É o meu lojinha
É cafezinho
É milho aos pombos
É Palavra do Senhor
Dá assim uma luz
É uma coisa quentinha
Está no meio de nós
É o fim do caminho
É mercearia de intimidades
Ou mercado de almas
É oposição
Ou um armazém de secos e molhados
É marmelada de banana
É boteco
É ágora
É parlamento
É confessionário
É orquidário
É divã
É paróquia
É curral
É inferninho
É tribunal
É zona
É janela
É fechadura
É webcam
É o apartamento da vizinha
É vitrine
É vidraça
É telhado
É quintal
É vereda
É redemunho
É diabim na garrafa
É praça
É de graça
É eu
É nóis
É a tua
É lugar
É pasárgada
É arembepe
É praça da sé
É oscar freire
É terra do meio
É marcelândia
É minhas férias
Não deixa de ser chinatown
Nem dogville
É o fim da picada
É linguagem
São dois-dedim-de-prosa
Na real, é virtualidade
É fetiche
É batatinha quando nasce
É pacto
É contrato
É pré-texto
É pra treineiro
É espírito
É energia
É circunstância
É viagem
É puranóia
É o fim da história
É contar aquela historinha pra distrair as visitas enquanto a mamãe se arruma
É agora eu era herói
É o futuro
Já era
É contingência
É geração
É travessia
É travessão
É transição
É troca-troca
É clubinho
É moda
É pop
É dossiê
É querido diário
É brinquedinho de adulto
É orkut de velho
Derruba ministro
Combateria a ditadura
Atenta contra a moral e os bons costumes
É caminho para a capa de Caras
Garante um lugar na Playboy
Ou pelo menos um teste de sofá na Sexy
Preenche este vazio que me acompanha
Vai fazer a aliança camponesa-operária
Dá cócegas
É solidão a dois
É a mídia que prescinde da mídia e a extingue
E isso vai para as manchetes
É, tipo, We The Media
É brincar de Diogo Mainardi
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É dar uma de Bruna Surfistinha
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É ter seus 15 minutos de Cid Moreira
E isso é sadismo
Ou masoquismo
É a dulcinéia de todo quixote
É a madona do pixote
É a Marília de (Zé) Dirceu
É bah
É meu
É isca viva
É isca artificial
É isca de polícia
É isquinha com cervejinha
Isquinha de zebra
É isca, Reinaldo
Isca, Reinaldo
É oxe
É arre
É uai
É véi
É portal
É túnel
É púlpito
É palquinho
É picadeiro
É palanque
É tanque
É nave
É jangada
É motoca
É fanzine
É pasquim
É libelo
É panfleto
É link pro labirinto
É suporte pra banner
É a terra da liberdade
É Toyota listrado rateando na (infinda) savana
É coisa de hacker
É coisa de nerd
É coisa do PT
É coisa da Globo
É a rede, estúpido
É molotov
É garrafa ao mar
É homem ao mar
É terra à vista
Mas são as Índias erradas
É vôo de ícaro
É bolivariano
É republicano
Tá com os democratas
Vem que vem que nem a PM da Yeda
É holístico
É lírico
É onírico
É onívoro
É ovíparo
Destrói reputações
Arruína casamentos
Solapa altos negócios
Dá pra descolar um troco
É emprego que se apresente
É autoconhecimento na frente das crianças
É filosofia a uma hora destas
É tela em branco
É noite em claro
É luz
É raio estrela e luar
É os olhos do fraco
É o medo de amar
É a vida
– Que é bonita e é bonita
É o que não tem remédio nem nunca terá
E se chama amor
É um fio de cabelo no meu paletó
Toma conta de todo o meu ser
E claro que ninguém se toca com minha aflição
É festa lá no meu apê
Com minha cabeça de noite batendo panelas
É um mundo negro que viemos mostrar pra você
É a tonga da mironga do kabuletê
Porque é o avesso do avesso do avesso do avesso
É se vira nos 30
É arquivo confidencial
É a ponte do rio que cai
É brincadeira
É despertar
É zzzzzzzzzzz
É libertação
É vício solitário
É armário
É baú
É boca
É um par de asas
É o falo da expressão
É a vulva do conhecimento livre
É parte inextricável do corpo ampliado na era cibernética
Não passa de um apêndice protestando
Um cóccix se perpetuando
Um dente de leite
Uma espinha
Um cravo
É prisão
É refresco
É hospício
É coleção de selos
É casa da sogra
Ou língua-de-
É língua-da-mãe-joana
É axé
É punk rock
É chorinho
É pagode-de-teclado
É apito
É megafone
É uma flamejante remington 2.0
Quiçá uma magirus
É o sonho de Gutenberg
É a última fronteira do jornalismo
Ou a nova do capitalismo
É parte da mais recente bolha
Faz bolhinha dentro d’água
Pinga na superfície igual pedrinha chata
É só tascar a língua e mexer
É sorriso / salto / sardinha / sorriso / salto /sardinha:
o suor molhado de Flipper
Um dia substituirá o autor
HAL HAL HAL HAL HAL
É questão de ordem
É questão de opiniães
É merda no ventilador
É mal recebido pelo mercado
E por aquela tia sua
É pra ler no trabalho
Já é passível de ler no banheiro
É a revolução-que-não-será-televisionada
É o papel-que-aceita-tudo
É Ai Amiga
É Cês Não Sabem Quem Eu Comi
É Deixa Eu Falar
É O São Paulo Tá Com O Time Montadinho
É Agora É Sério
É Eu Acho Que
É neoconservadorismo
É esquerdafestismo
É exibicionismo
É militância
É incontinência
É arrogância
É readolescência
É oportunismo
É jornal sem lead
Sem lauda
Sem lay-out
Sem manual
Sem dono
Sem cm
É mais do mesmo
É mais plurais
Eh naum sei + u q !!!!!!
É hehehe
É mais do que dá pra ler
É mais você
É mais ou menos
É um pouco muito isso
É toda uma proposta
São tudo pequenas coisas
É isso aí
Interrogação
Me diga lá
Até 250 toques
Ali em “Comentários”

Pra assinar também

21/07/2008

Falta de controle social, concentração nas mãos de umas poucas famílias, sensacionalismo, exploração da tragédia alheia, renovação automática de concessões, difusão de preconceitos, exclusão regional, apologia do consumo, propriedade cruzada, jabá, trincheiras contra as vozes comunitárias, emissoras nas mãos de quem a Constituição veta… e alinhamento de mísseis para mandar pelos ares qualquer iniciativa de regulamentar um pouco melhor as coisas.

Com um quadro desses, resta alguma dúvida sobre a urgência da Conferência Nacional de Comunicação, reivindicada pelos movimentos e entidades ligados à área?

Pra apoiar, chegaqui.


%d blogueiros gostam disto: