Eram 19h40.

Dias finais do horário de verão.

Os servidores já encerravam o ritual do escalda-pé nas respectivas superquadra e sala de TV.

Os seguranças confrontavam o desempenho dos times do Rio e se preparavam para praticar espera.

Os dirigentes faziam o gelo girar no copo e despachavam as prioridades do dia seguinte com a secretária.

Um estrondo. Estrangeiro, contrabandeado, inexplicado. Inequívoco, mas sem legenda, sem seta, sem pingo nem trema.

Desci em desabalo: pouco degrau para muito pé. Só os meus. E o coração na sola, talvez um em cada.

Olhos lá fora: só os meus dois também.

Um céu que só vendo. Como se flores fundidas à água, impressionismo em grande forma. Chá de rosa derramado sobre toalha de papel crepom azul-claro. Se existisse.

Tanto mar que cheguei a me esquecer da possível ex-bomba. Investigar. Descobrir. Ninguém pra perguntar. Deduzir. Farejar. Um prédio rachado, um disco caído. Nada. Um tanque (des)governado, um urso abatido, um sonhador com uma rosa de bala no peito. Que nada.

Quase conformado ao mistério, eis o eis-que. Dei de cara com sua corporificação.

A chave, não da causa, mas do efeito. Sua iconografia. A fumaça ainda postada sobre a catedral, como um pensamento plúmbeo, pedaço silencioso da explosão de minutos antes, seu osso. O desenho de um imenso formigueiro implodido. Como se um sioux esquecesse o bife na frigideira dentro da tenda. Como se um pequeno vulcão ali na obra do arquiteto.

Ainda ninguém nos arredores. Intrigante idem. Uma ausência quase militante, quase um grito surdo, um antigrito, quase como se eu fosse o único não avisado de um bombardeio, uma praga, o fim de um vilarejo, um tigre escapado, o novo nome de um lugar ou de um regime. Me vesti de interrogações. Vandalismo? Mágica? Falta de manutenção? Arrastão imobiliário? Ritual neopentecostal ou ecumênico? Fantasmagoria do presidente-fundador? Sublimação de energia represada do Dr. Oscar?

Nada nos jornais do dia seguinte. Nem nas letras nem nos espaços em branco, que às vezes falam mais que elas. Nada nos dos dias que viriam.

As pessoas seguem sentadas ou penduradas dentro dos ônibus, os ônibus seguem cumprindo o cotovelo dos três poderes, as corujinhas seguem girando a cabeça para os passantes, os aviões seguem sobrevoando as vidraças da catedral e os carros somem e reaparecem.

Só sei do estrondo. E de seu balão carbônico, que as fotos não mentem jamais.

Tags: , , ,

8 Respostas to “Eram 19h40.”

  1. cacalo Says:

    rapaiz, cousa de gênio!

  2. pedrobiondi Says:

    Cacalo, amigo,

    é só um relato fidedigno,

    testemunho objetivo,

    boletim de um incógnito sinistro.

  3. cacalo Says:

    pedrim, permita-me usar o blog para desabafar. que falta faz o seu pai, o grande Aloysio Biondi. como pode acontecer de a vale anunciar um lucro gigantesco, declarar que manterá seus investimentos e as suas ações despencarem na bolsa, e nenhum “especialista” mostrar o absurdo do fato?

  4. pedrobiondi Says:

    Cacalo, a casa é sua… E a Vale, é nossa?

    Bão, o tal do mercado tem mesmo muitas irracionalidades e, por outro lado, opera manobras obscuras que, embora cheias de razões subetrrâneas, para nós frequentemente soam como irracionalidades. Mas, pelo que vi, o presidente do grupo reviu pra baixo a previsão de investimento e acenou com “reestruturações” que podem incluir a não-produção de determinados insumos.

  5. cacalo Says:

    reviu, sim. diminuiu em 2% o valor dos investimentos…

  6. cacalo Says:

    desculpem a nossa falha: 20%…

  7. Carolina Borges Says:

    Lindo demais.
    As vezes, ouço estrondos que ninguém ouve, vejo cenas absurdamente lindas que ninguém vê. Ao meu redor as pessoas estão sentadas ouvindo seus MP3 no celular. Outras vezes quem está ouvindo sou eu, indiferente, cega e surda.
    Em que momento estou doente? Ih, será que estou doente? Vou pedir a minha colega para me beliscar, sei lá, talvez esteja só com sono. Talvez eu possa acordar.

  8. pedrobiondi Says:

    Pois é, Carolina… Muitas vezes, é questão mesmo de “olhos de ver” e “ouvidos de ouvir”, mas estamos ocupados demais para atentar a eles…

    Um abraço.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: