A floresta, vista de baixo

Essas sumaúmas poderiam realmente impressionar vistas desse jeito, para além da raizama descomunal. Soam como um comitê de adultos recriminadores, incriminadores: vertiginosas e moucas. Sobra pouco para a luz, uma pequena capoeira no firmamento, e ela vem cegando, procurando desfolhar caminho. Acho que agora conheço a sensação de um líder de doces massas sendo docemente carregado pela multidão. Ou tudo à minha volta lembra um louco brinquedo infantil, pelúcias de escorpiões, aranhas, pássaros coloridos, um jacaré, todos flutuam e riem, flutuem e riam, congelados em espuma, como no universo de sonho de um bebê que sobrevoa as grades do berço-lar. Só esta a Amazônia-pra-todos que consegui. Lutei, lutei muito: até onde deu. Busquei me arrebentar arrebentando quem estivesse em volta, puxei todas as energias que me restavam em murros, urros, ursos… giros. Mas quem mata a água? Risos. Quem ganha uma guerra contra partículas? Quando o inimigo é o chão ou o ar? Cada chute que dei era como chutar o escuro, em instantes aquela calda-viva voltava e preenchia o vazio, comendo o vácuo. Do que lembro: as sumaúmas de rosto indecifrável me julgaram e quatro rudes caboclos me arrebentaram o português e me jogaram ao mar, gringo em meu próprio mapa, um oceano de antenas, perninhas e ferrões, aprende a nadar alemão, por ali um representante de cada preciosa espécie da floresta equatorial, uma procissão de zoologia ou alucinada arca-de-noé sem noé, até uma sucuri que desistiu de se enrolar no que não quebra, pobre monstra inutilizada, seria o mais horrível de Dante ou Cousteau não fosse essa total anestesia e o riso babado que me curva a boca depois dos zilhares de aguilhadas de ácido fórmico. Entre maoris ou pigmeus eu tinha um transe de caramuru ou oferecia espelhos, mas esse turba invertebrada é absolutamente surdo-muda, chão mais fluido, adiós belas damas de españa…

“A floresta, vista de baixo” é um dos 20 contos e híbridos do meu livro, que dá nome ao blog. Mais detalhes ao lado (no alto da coluna direita).

Tags: , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: